Parque de Ateliers - Quinta do salles

  • Parque de Ateliers da Quinta do Salles
  • Parque de Ateliers da Quinta do Salles
  • Parque de Ateliers da Quinta do Salles

A origem da Quinta do Salles ou dos Cónegos é, ainda hoje, desconhecida, embora o conjunto contenha pormenores arquitetónicos muito antigos. Sabe-se que no séc. XVIII foi um pequeno convento. Com a extinção das ordens religiosas em 1834, a quinta foi transformada numa exploração agrícola particular.

Na primeira metade do séc. XX instalou-se no local uma pequena indústria de engarrafamento de águas, a Empresa das Águas de S. Marçal, cuja concessão lhe foi atribuída a 28 e Agosto de 1926. A empresa aproveitava a nascente existente no local para captar a água que, posteriormente, era engarrafada em diversas embalagens de ¼ de litro, cinco litros e dez litros. Em 1940, a exploração chegou a atingir os 193.000 litros engarrafados e comercializados.

Mais tarde, a quinta foi tornada propriedade do brigadeiro Lopo e também do Sr. João Baptista Monteiro. Atualmente, da antiga propriedade subsistem alguns dos edifícios, um curioso sistema de rega e os jardins.

Adquirida pelo Município de Oeiras no final da década de 80, sofreu amplas obras de remodelação, as quais transformaram os edifícios em elegantes ateliers com aspeto rústico, sendo hoje um importante polo a nível empresarial. Dispõe de 51 ateliers, distribuídos por quatro edifícios, os quais variam entre os 11 e os 98 m2.

As instalações desfrutam de uma bela vista panorâmica para os amplos jardins, sendo um local de eleição para o trabalho criativo e incubação de empresas.